“Artivismo”: articulando dissidências, criando insurgências

Paulo Raposo

in.sur.gir (lat insurgere)
1. Amotinar(-se), revoltar(-se), sublevar(-se).
2. Opor-se, reagir.
3. Emergir, surgir, aparecer, vir à tona, (surgir) de dentro
(in Balaklava, 2014, s/p.)

Enquanto preparava a introdução a este dossiê, tive a oportunidade de conhecer o interessante trabalho de um artista brasileiro, André de Castro, talvez pelas piores razões. Este artista carioca, radicado nos Estados Unidos da América, tem vindo a desenvolver vários projetos que pensam a dimensão política da arte e cruzam os territórios do protesto social, procurando uma visibilidade artística de situações sociais politicamente significantes. Um desses projetos intitula-se Movimentos (2013) e consiste:

André de Castro website – http://cargocollective.com/andredecastro/Projeto-Movimentos (acesso em Ou (…)

(…) num painel composto por impressões em serigrafia dos envolvidos nos movimentos do Brasil, EUA (Occupy), Turquia e Grécia, juntamente com suas referências políticas. Cada participante enviou através das mídias sociais uma foto de rosto e respondeu a uma série de perguntas relacionadas ao movimento político de seu pais e sua identidade: uma cor, uma pessoa, uma imagem, um lugar, uma data, uma música e um objeto. Justapondo essas referencias a suas fotos, foram criados retratos políticos individuais. O conjunto das imagens gerou uma mini etnografia da cultura material e imaterial das manifestações. […]

Link: https://www.researchgate.net/publication/283699760_Artivismo_articulando_dissidencias_criando_insurgencias